Conversas no lobby 2017

Conversas no lobby 2017Conversas no lobby 2017: Leccionar cursos sobre a antropologia dos povos das terras baixas da América do Sul

Conferência Sesquianual SALSA XI, Lima

Organizador: Carlos D. Londoño Sulkin, Universidade de Regina

As Conversas no lobby surgiu pela primeira vez na VIII Conferência Sesquianual da SALSA em Nashville, Tennessee, em 2013. O evento foi criado para homenagear o nosso colega Steve Rubenstein, recentemente falecido, nomeadamente reproduzindo num formato diferente um serviço que ele prestava a estudantes, jovens colegas e pares: Steve destilava e formulava constantemente ideias sobre as nossas vidas profissionais como antropólogos e como académicos, e partilhava-as como conselhos. Desta vez - a quarta - Conversasno lobby 2017, organizada por Carlos Londoño Sulkin, será um evento de grupo que abordará o tema do ensino de cursos sobre a antropologia dos povos das terras baixas da América do Sul.

Na conferência SALSA de 2017, em Lima, Peru, o nosso grupo começará por fazer uma apresentação conjunta dos temas abordados, abrindo depois o debate. Depois, estaremos disponíveis durante mais uma hora para conversas mais íntimas com os membros da SALSA presentes que estejam interessados em saber mais sobre os nossos debates, conclusões, materiais didácticos, etc.

Participantes nas Conversas no lobby 2017

O nosso grupo é o seguinte:

Jeremy Campbell, Roger Williams University

Juan A. Echeverri, Universidad Nacional de Colombia, Sede Leticia

Carlos D. Londoño Sulkin, Universidade de Regina(Organizador)

Kathleen Lowrey, Universidade de Alberta

Laura Mentore, Universidade de Mary Washington

Daniela Peluso, Universidade de Kent

Pirjo Kristiina Virtanen, Universidade de Helsínquia

Trocámos programas de estudo, criámos e respondemos individualmente a um questionário sobre os nossos cursos e mantivemos a nossa conversa por correio electrónico ao longo do ano lectivo de 2016-2017. Durante o processo, discutimos, entre outros tópicos, as ênfases dos cursos, as filosofias e estratégias de ensino, os desafios pedagógicos que enfrentámos e bibliografias, filmes e outros recursos. Alguns tópicos sobressaíram organicamente: a relevância dos cursos da área etnográfica nos dias de hoje; os desafios de ministrar tais cursos na "universidade neoliberal"; a ênfase euro-americana da nossa academia; o ensino em prol dos direitos e do bem-estar dos indígenas; a possibilidade de colaborações pedagógicas com os povos indígenas; e, muito pragmaticamente, os principais recursos bibliográficos, mediáticos e cinematográficos de particular valor para a abordagem de determinados tópicos.